7 cidades que estão começando a se livrar dos carros

Pesquisas afirmam que, hoje, o tráfego de Londres está mais devagar do que um ciclista mediano, enquanto os motoristas de Los Angeles gastam, em média, 90 horas por ano procurando uma vaga de estacionamento

Mais de cem anos depois da invenção do carro, parece que algumas cidades estão tentando se livrar do meio de transporte, afinal, ele está atrapalhando mais do que ajudando na locomoção das pessoas no contexto urbano.

Pesquisas afirmam que, hoje, o tráfego de Londres está mais devagar do que um ciclista mediano, enquanto os motoristas de Los Angeles gastam, em média, 90 horas por ano procurando uma vaga de estacionamento. Diante dessas condições, algumas cidades europeias estão rapidamente “fechando as portas” para os carros em algumas localidades, mas oferecendo alternativas inteligentes para os pedestres.

Abaixo, confira as cidades que já aderiram ao movimento para diminuir a quantidade de carros nas ruas.

Madrid
Madrid já proibiu o tráfego de determinadas ruas da cidade, e este mês, a zona livre de carros vai aumentar ainda mais. Estendendo-se por mais de um quilômetro quadrado, a área ainda permitirá que os residentes do bairro dirijam, mas qualquer pessoa “de fora” que entra vai ser multado em US$ 100. Vinte e quatro das ruas mais movimentadas da cidade será redesenhado para caminhar, não dirigir.

Paris
Em 2014, quando os níveis de poluição atmosférica chegaram a níveis alarmantes, a cidade decidiu proibir brevemente carros com placas pares. A poluição caiu em até 30% e agora os governantes estão planejando desencorajar o uso de carros permanentemente. No centro da cidade, quem não mora nos bairros locais não será capaz de conduzir nos finais de semana – e em breve a regra será aplicada a todos os dias da semana. Até 2020, o prefeito planeja dobrar o número de ciclovias na cidade, proibir carros a diesel e limitar certas ruas de tráfego intenso de carros elétricos.

Chengdu
Em vez de ser construída para que seja necessário andar de carro, a cidade satélite no sudoeste da China foi projetada de modo que você pode chegar em qualquer lugar, andando, em no máximo 15 minutos. O projeto tem assinatura dos arquitetos Adrian Smith e Gordon Gill e foi planejado para ser concluído em 2020.

Hamburgo
Embora não esteja planejando banir os carros do centro da cidade, Hamburgo está facilitando para quem não quer dirigir. Uma nova “rede verde”, a ser concluída nos próximos 15 ou 20 anos, irá conectar parques em toda a cidade, tornando possível andar de bicicleta ou a pé em qualquer lugar. A rede cobrirá 40% do espaço da cidade.

Helsínquia
Helsínquia espera uma enxurrada de novos residentes ao longo das próximas décadas, mas quanto mais as pessoas vêm, menos carros serão permitidos nas ruas da cidade. Em um novo plano, a cidade apresenta um projeto que vai transformar subúrbios dependentes do automóvel em comunidades densas, tranquilas ligados ao centro da cidade através de transporte público. A cidade também está construindo serviços mobilidade por demanda para agilizar a vida sem um carro. Um novo aplicativo em testes agora permite que os cidadãos acessar instantaneamente uma bicicleta, carro ou táxi compartilhado, ou encontrar o ônibus ou trem mais próximo. Em uma década, a cidade espera para tornar completamente desnecessário possuir um carro.

Milão
Milão está testando uma nova forma de manter os carros fora do centro da cidade: se os passageiros deixarem seus veículos em casa, eles vão obter vales transporte público gratuito. Um computador conectado a internet fica no painel do carro, de modo que ninguém pode enganar e dirigir para o trabalho. Quando o carro fica em casa, a cidade envia um voucher com o mesmo valor do bilhete de ônibus ou trem.

Copenhague
Quarenta anos atrás, o tráfego era tão ruim em Copenhague como qualquer outra grande cidade. Agora, mais de metade da populção utiliza bicicletas para trabalhar todos os dias e tem nove vezes mais viajantes de bicicleta do que em Portland, Oregon, a cidade com o maior número de passageiros de bicicleta nos EUA. Copenhagen começou a introduzir zonas pedonais na década de 1960 no centro da cidade, e elas se espalharam lentamente ao longo das décadas seguintes. A cidade agora tem mais de 200 quilômetros de ciclovias, com novas auto-estradas da bicicleta em desenvolvimento para chegar a seus arredores. A cidade tem uma das taxas mais baixas de propriedade de automóveis na Europa.

Com informações da FastCompany.

Fonte administradores.com.br