Ilegal: 38% dos funcionários venderam seu vale-refeição nos últimos seis meses

26% dos entrevistados venderam para colegas de trabalho, amigos e parentes; enquanto 12% venderam o benefício para empresas

De acordo com uma pesquisa do instituto Data Popular, quatro em cada dez brasileiros que receberam vale-refeição — o correspondente a 38% — venderam o benefício pelo menos uma vez nos últimos seis meses visando ganhar mais dinheiro. Segundo o Data Popular, a pesquisa foi feita entre os dias 9 e 16 setembro deste ano, com 1.205 pessoas, em 143 cidades brasileiras.

De acordo com os entrevistados, 26% venderam para colegas de trabalho, amigos e parentes, enquanto 12% venderam o benefício para empresas. Dos que venderam os benefícios, 36% disseram que o venderam mais de uma vez e 16% venderam, no mínimo, quatro vezes.

Segundo o UOL, entre os motivos apontados, 53% afirmaram que fizeram a venda para complementar a renda. Outros 22% disseram que preferem comprar comida e levar, enquanto que 12% precisavam de dinheiro no momento da venda. Os demais (13%) citaram uma série de motivos particulares.

Apesar dos números, a venda de vale-refeição é uma prática ilegal. Ela pode, inclusive, levar à demissão do funcionário por justa causa. Em casos mais graves, a venda pode ser configurada como estelionato, o que pode tomar proporções ainda maiores.

A pesquisa também questionou os entrevistados sobre a ilegalidade da prática. Os resultados mostraram que 47% dos participantes têm consciência da ilegalidade, enquanto 33% acreditam ser legal. Os outros 20% não souberam responder.

Fonte Redação, Administradores.com